Meus amigos: Não tenho a pretensão que estas curtas sejam pérolas… Se forem pétalas e conseguirem iluminar o dia de umzinho só, dar-me-ei por satisfeito. Um abraço!

Loucos, certos… – Não subestimo os loucos – palavra em desuso -; tão pouco superestimo os certos!

O bem – Iluminar o dia de alguém: Bem ao alcance de minha mão e tão na contramão deste terceiro milênio.

O bem (2) – O bem campeia solto por aí… Hay, entretanto, quem não tenha interesse em divulgá-lo.

O bem (3) – O bem – tal qual o mal – não necessita de articulações, de artimanhas. O bem se sustenta em sua simplicidade, na ingenuidade e até na simploriedade.

O bem (4) – Espero o bem das pessoas simples; também o espero das importantes, só que… sentado!

O mal – Os articuladores do mal não são bons, porém são sábios.

Perdão – Em matéria de perdão, meu consolo é ele ser difícil para todos.

Sábios e sábios… – O sábio do mal trama, articula, engendra; o sábio do bem simplesmente… Ama!

Vida leve – Para tornar minha vida mais leve, evitarei o clássico, o requintado, o refinado e me reportarei ao simples, ao compreensível, ao acessível… E isto é válido ao externar minhas idéias.

Vida leve (2) – Constatar as coisas faz parte de minha astúcia… Valorizá-las ou não, da vida que quero levar.

Vida Leve (3) – Se eu te convidar para tomar uma cerveja, uma taça de vinho, um sorvete, comer um chocolate… Calma; não te preocupa! Não estou te convidando para pecar!

(Verão de 2011/12).

2 Comentários para ““Mínimas” e curtas do velhinho – (8)”

Deixe um comentário