Archive for agosto, 2019

“Queiramos ou não, é da Lei que nossa existência pertença às existências que nos rodeiam.” (Emmanuel).

* * *

É sábia a Lei: referimos-nos à Lei Moral, Divina ou Natural.

Sábio foi, também, Allan Kardec, quando propôs aos Iluminados a divisão da Lei Moral em dez partes: Liberdade; Conservação; Reprodução; Trabalho; Destruição; Progresso; Adoração; Justiça, Amor e Caridade; e Sociedade. (questão 648 de O Livro dos Espíritos).

Dez Leis, mas todas convergindo para a de Sociedade: encarnados e desencarnados interdependentes, por força própria das fragilidades do ainda Planeta de provas e expiações:

Dessa forma, arbitramos; irmanamo-nos; protegemo-nos; oportunizamos novas vestes carnais; servimos dentro de aptidões diversas.

Somos senhores da razão entre o necessário e o supérfluo; avançamos, inexoravelmente, material, espiritual, intelectual e moralmente; louvamos pedimos e agradecemos a um Deus que nos é, convenientemente, Justo e Bom; respeitamos limites para que os nossos sejam respeitados…

… Mas, acima de tudo, somos uma sociedade de servidores: “nossas vidas pertencem às vidas dos que nos rodeiam.”

Na verdade, são dez Leis, todas convergentes à de Sociedade.

* * *

Pesquisa recente Norte-Americana mostra-nos que a cada dez episódios de fragilidades, em nove deles há pessoas se mostrando solidárias.

Errando e acertando; servindo mais ou servindo menos, vamos, invariavelmente, pela dor ou pelo amor, nos ajustando à Lei…

As “dez” Leis de Sociedade o exigem; elas nos competem; elas nos convocam!

(Sintonia: Xavier, Francisco Cândido, Fonte Viva, ditado por Emmanuel, Cap. 154, Ninguém vive para si; 1ª edição da FEB) – (Inverno de 2019).