640px-Mother_Teresa“A verdadeira caridade não consiste apenas na esmola que dais, nem mesmo nas palavras de consolação, [mas também] na benevolência de que useis sempre e em todas as causas para com o vosso próximo.” (ESE, XI, 14).

* * *

Se, acidentalmente, fraturamos uma costela, perna, braço, recursos médicos nos socorrerão; a curto, médio ou longo prazo estaremos ‘novos’. Já nas inquietações de ordem moral, necessitaremos bem mais da benevolência do que de cirurgias, talas e muletas.

Orbes de Provas e Expiações pressupõem acidentes físicos e intervenções apropriadas; os calvários morais, entretanto, aqueles que necessitam da ajuda de almas já requintadas, abundarão nesses Planetas.

Ah! Se no refúgio doméstico houvesse somente as dores do parto e outras físicas que demandam naturais cuidados! Bem pelo contrário, no cadinho familiar, onde se moldam almas e se extraem impurezas de pretéritos equívocos, a benevolência deveria ser o cardápio diário: Ao mesmo tempo forte e branda; exigente e elástica; reverente e reverenciada; compreensível e compreendida.

Se o ir e o vir, a liberdade de ação, o direito de opinar, decidir, realizar, nos abençoam diariamente, quanta benevolência no pensar, no agir, no emanar precisaremos diariamente ante as vítimas de manicômios, cárceres ou leitos de expiação!

Se já podemos compreender a necessidade da dor física e também da moral, entendemo-las como expiações; mas se já cultivamos no coração a sementeira da benevolência como requinte e aroma da caridade, plantemos o serviço, alegria, a esperança até onde nossa influência o permitir.

* * *

Madre Tereza, Irmã Dulce, Dr. Bezerra de Menezes, Chico Xavier não possuíam recursos próprios para beneficência; os angariavam. Entretanto, é possível que tais vultos, no século XX, sejam o exemplo máximo de benevolência.

Entendamos benevolência como o requinte da caridade. Ora, pessoas refinadas não o ficam perante tal ou tal situação; da mesma forma, indivíduos não ficam benevolentes no ato; trazem consigo tal virtude! Questão de cultivo…

(Sintonia: Cap. Em favor da alegria, pg. 94, Livro da esperança, de Emmanuel/Chico, CEC Editora) – (Outono frio de 2014).

2 Comentários para “Benevolência, o requinte da caridade”

  • Silvia Gomes says:

    “Entendamos benevolência como o requinte da caridade. Ora, pessoas refinadas não o ficam perante tal ou tal situação; da mesma forma, indivíduos não ficam benevolentes no ato; trazem consigo tal virtude! Questão de cultivo…”
    Verdade Claudio! É um exercício que devemos repetir a exaustão, mesmo que no princípio, à nos mesmos pareça um pouco forçado. A virtude só se torna natural de nossa alma após longa jornada.
    Bela crônica! Obrigado!

  • fatima says:

    Que Jesus me ilumine cd vez mais para que eu possa cultivar sempre, até a exaustão como nos diz a querida Silvia, a benevolência, a caridade, a fé e todas minhas carências, que não são poucas.
    Obrigada pela crônica, obrigada por mais uma vez soprares a cinza da brasa.

Deixe um comentário