Bombeiro e incendiário estarão sempre muito perto de um lugar comum, o do fogo! Antagônicas ou opostas serão as situações em que estarão, pois enquanto o segundo dissemina o perigo, o primeiro estará a serviço do salvamento.

Poderá ser muito tênue a linha que separa o bem do mal, o socorro da covardia, pois a mesma mão que bate, afaga; o mesmo coração que ama, fere, magoa, odeia; os mesmos braços vigorosos que enlaçam e abraçam, serão capazes de embrutecer, empurrar, nocautear. Mesmas forças despendidas, direções contrárias!

Bem e mal, socorro e desamparo, gratidão e apatia, enaltecimento e inveja… serão sempre uma questão de opção e de usufruto de tendências que cada ser humano acalenta em seu íntimo.

Os mesmos olhos que servem de instrumento para perceber necessidades alheias, poderão estar cegados pela insensibilidade.

Bocas pronunciarão palavras capazes de traçar o mais belo enunciado sobre uma pessoa. As mesmas poderão pronunciar expressões tão destrutivas quanto o mais poderoso cruzado de direita.

A mesma boca, ainda, capaz de pronunciar o mais belo conceito sobre alguém, poderá esmagá-lo pela lâmina da calúnia ou difamação.

A parceria de mãos que ofertam rosas, poderá se transformar em conluio das que ferem com os espinhos.

Tenho utilizado uma lupa para analise dos defeitos de meu próximo, do familiar difícil, dos deslizes de meu cônjuge, do voluntário complicado… ou os tenho verificado com os olhos do coração?

Utilizando-me do santuário da gratidão de meu peito, sempre direi ao meu colaborador: Parabéns, muito obrigado! Mas meu peito ingrato também poderá ficar insensível a esse obreiro…

As atitudes de um indivíduo poderão encaminhá-lo ao rumo da felicidade ainda neste Planeta ou precipitá-lo no mais profundo caos.

Trabalhar em favor do próximo ‘e’ da minha felicidade é tão pleonasmo quanto chover no molhado, açúcar doce, subir para cima, adiar para depois, correr na correria… visto que a felicidade dependerá sempre do serviço amoroso.

A força que utilizo para a maldade é a mesma que despendo para a bondade, o que difere é a energia que consumo em ambas. Se a energia consumida no bem é limpa e renovável, a consumida no mal é pesada e poluente…

Se para tantas situações o equilíbrio é a melhor recomendação, para o bem e o mal, para o bombeiro ou incendiário não haverá meio termo…

…Ou um, ou o outro!

(A sintonia é do cap. Amor e ódio, pg. 39 de Mensagens de esperança e paz, de Waldenir A. Cuin, Ed. EME) – (Inverno de 2012).

3 Comentários para “Bombeiro ou incendiário?”

  • Fernanda says:

    Ah meu amigo!! Algumas vezes parece que lês o que se passa dentro do meu coração. Normalmente ainda estou mais próxima do incendiário… muitos ainda serão os passos que preciso percorrer para merecer essa promoção!

  • ELZA says:

    Muito interessante a maneira como o autor abordou o tema.

    Disse-nos, certa vez, o orientador de nosso grupo de estudos, que antes da fase hominal o espírito passa pela fase animal, a fim de adquirir instintos. Quando reencarna como ser humano, o espírito deve depurar e dosar esses instintos, transformando-os em sentimentos puros.

    Vai aí a diferença entre os incendiários e os bombeiros. O pior de tudo é que ambos convivem sob o mesmo “teto” e qdo pensamos que estamos a caminho de sermos bombeiros, nos queimamos e reagimos deixando a balança pender mais para o instinto do que para a pureza de coração. E aí temos a triste desilusão de vermos o quanto ainda somos incendiários!

  • fatima says:

    Seguindo as boas orientações, tenho procurado carregar um extintor comi go, como a força é escassa, ele é pequeno e a carga logo acaba!!! Graças ao Pai Maior tenho valorosos soldados do fogo por perto, atentos, evitan
    do sempre danos maiores. Talvez uma boa musculação em leitura, em carida
    de, possam melhorar meu tônus e eu possa usar um extintor maior. Que achas escritor do meu coração?

Deixe um comentário