Certificado ou diploma – do latim ‘diploma, atis’ e do grego ‘diploma, atos’ – é uma permissão por escrito emitida por instituição de ensino a qual testemunha que alguém completou, com sucesso, determinado curso. Em Portugal denominam-se ‘cartas’. Já a Carteira Nacional de Habilitação, carta ou carteira de motorista, confere a um condutor de veículo automotor terrestre a permissão legal para trafegar…

* * *

Na vida também os indivíduos ‘colecionarão’ certificados, habilitações, diplomas, e os colocarão em suas paredes, normalmente para impressionarem ou se imporem sobre seus semelhantes, quando não para hostilizá-los.

A proposta de hoje é de se examinar a parede de cada um e, quem sabe, ‘fazer uma limpa’, descartando velhos, opressores e rabugentos atestados, diplomas, permissões, delegações, tais quais:

1. O certificado da felicidade – Felicidade não é algo que se adquire por decreto, concessão ou certificado; tão pouco ‘cai do céu’! A felicidade é um resultado diário de tudo aquilo que de bom eu dôo aos outros; quanto mais ofereço, mais me é acrescida a felicidade.

2. O diploma de bom pai, mãe, marido, esposa, filho, irmão – Também este é fantasioso e precisa ser retirado da parede. Familiares, na tentativa de acertarem irão errar todos os dias. Tentar acertar é ‘o’ certificado e único aceitável em um agrupamento que aqui está para corrigir, sanear ou reparar antigos e até milenares agravos.

3. Os certificados de grandeza – As pessoas – familiares, amigos, colaboradores – são como são; não se pode exigir-lhes certificado de grandeza. Depor tal certificado e amar incondicionalmente pessoas de ‘pequena, média ou grande’ evolução, é a receita!

4. O certificado da saúde perfeita – Tal certificado é incompatível com os terráqueos. Mais dia, menos dia, a saúde física irá falhar, a mental irá ficar atrapalhada por dificuldades ou provações. Dores físicas, morais, vicissitudes de qualquer ordem são a bênção da maquiagem de cada Espírito.

5. Atestado de equilibrado – Perseguir a estabilidade e a harmonia diariamente é uma meta. Os indivíduos, entretanto, fatalmente sairão do prumo principalmente sempre que o egoísmo do desserviço lhes rondar. Quando retomarem a utilidade e o ‘servir’, reaverão o caminho do equilíbrio.

6. Certificado de sábio – De qual escola? Partindo-se do pressuposto que sempre se terá algo a aprender ou a ensinar, nenhum indivíduo é formado nessa matéria ou suficientemente sábio. É possível que esse ‘diploma’ esteja restrito aos que estão na ponta de cima do roteiro evolucional.

7. Atestado de solidez – Aos fanáticos está reservado o direito de se dizerem sólidos. Mil vezes melhor guardar a humildade de ser flexível, moldável, e até submisso sem, contudo, perder a identidade.

8. Comprovante de auto-suficiência – A crítica sempre será o cilício contra as feridas da empáfia, do orgulho e da vaidade. Acolher a crítica e utilizá-la qual bálsamo nessas chagas é retirar da parede o certificado de auto-suficiente.

9. Diploma de procurador – Espíritos ímpares, as individualidades são responsáveis apenas por si; no máximo – e olhe lá! – co-responsáveis amorosos pelo próximo. Ninguém possui o diploma de procurador da vida alheia. Ajeitar a sua já é suficiente e difícil!

10. Certificado de melindrado – O susceptível é um cativo. Desalienar-me de quaisquer melindres, me assegurando de que ninguém me fará mal se não o permitir, é me libertar de influências ruins que me impedirão de viver feliz e independente.

* * *

Depor da própria parede todos esses certificados, diplomas, comprovantes, auto-procurações… poderá deixar a parede de cada um mais livre e apta a receber um único diploma necessário a conduzir a sua Vida: O de aprendiz!

(Sintonia: Cap. Pessoa menos obsedável, pg. 109 de Meditações Diárias, de André Luiz/Chico Xavier, editora IDE) – (Inverno de 201).

One comentário para “Certificados na parede…”

  • Silvia Gomes says:

    “Depor da própria parede todos esses certificados, diplomas, comprovantes, auto-procurações… poderá deixar a parede de cada um mais livre e apta a receber um único diploma necessário a conduzir a sua Vida: O de aprendiz!”
    Grande crônica Claudio!
    Certamente que o nosso orgulho ainda muito presente torna difícil esta atitude de limpar nossas paredes, porque nos induz a pensar que seremos fracos se formos flexíveis, quando é justamente o contrário.
    Há quem diga que nunca volta atrás na vida e realmente viva desta maneira.
    Bem, se rever atitudes e opiniões é ser fraco, eu posso te dizer que não tenho força nenhuma…rsrsrs!
    Obrigado pela partilha e uma boa noite!

Deixe um comentário