44Há conotação diversa, porém complementar, nestas duas vezes em que, no evangelho, o Mestre fala em espada:

“Embainha tua espada, porque todos aqueles que usarem da espada, pela espada morrerão” (Mateus, 26, 52), foi uma expressão proferida pelo Mestre, às vésperas de sua crucificação e dirigida a Pedro quando este cortou a orelha de Malco, soldado do Sinédrio. Jesus cuida de informar ao Discípulo Pescador que seu Reinado não é material, mas que a cada ofensa deveremos manter o equilíbrio e respondermos com o lado espiritual elegante que já possuímos: A face do amor e da compreensão! Na ocasião o próprio Cristo curaria a orelha do militar, mostrando-lhe a face Divina que possuía. Espada, aqui, evolui de uma analogia material para um ensinamento transcendental.

“Não julgueis que vim trazer a paz à Terra. Vim trazer não a paz, mas a espada.” (Mateus, 10, 34). À primeira vista, uma heresia Messiânica? Impossível! Jesus não era dado a desatinos. A doutrina vem em nosso socorro e nos explicará que toda a idéia nova provocará na humanidade sectarismos; ou alguns a aceitarão, outros não; e isso dentro até de uma própria família. E isso poderá ‘roubar a paz’ às partes.

Mas o ensinamento principal, a que Emmanuel ora se refere, diz respeito à espada que deveremos colocar sobre nossos próprios equívocos, pois Jesus não vinha trazer ao mundo a palavra de [tolerância] com as fraquezas do homem, [mas aquela que o] iluminasse para os planos divinos.

* * *

Tanto na primeira como na segunda citação a espada é aquela renovadora, com a qual deve o homem lutar consigo mesmo, ‘cortando orelhas’ que teima em criar, capitaneado ainda por ignorâncias, vaidades, egoísmo e orgulho.

 (Sintonia: Questão 304 de O Consolador, de Emmanuel e Francisco Cândido Xavier, 29ª edição da FEB) – (Outono de 2015).

One comentário para “‘Cortando orelhas’”

  • Silvia Gomes says:

    “Tanto na primeira como na segunda citação a espada é aquela renovadora, com a qual deve o homem lutar consigo mesmo, ‘cortando orelhas’ que teima em criar, capitaneado ainda por ignorâncias, vaidades, egoísmo e orgulho.”
    Verdade Claudio!
    Ainda muito confusos, em nossa ignorância não conseguimos alcançar o significado dos ensinamentos do Mestre.
    Ele veio justamente para balançar as nossas estruturas arcaicas, mergulhadas no orgulho e no egoísmo e isso fatalmente gera conflito, mas é absolutamente necessário para que possamos evoluir.
    Obrigado mais uma vez por compartilhar do teu saber. Abraço e um bom domingo!

Deixe um comentário