Antigos folguedos de criança, – quando ainda não existiam os eletrônicos – remetem minha lembrança às brincadeiras de ‘polícia e ladrão’, ‘mocinho e bandido’, ‘bang-bang’. Assistia-se aos inocentes filmes de faroeste e logo após ‘exibia-se’ em palcos improvisados, as cenas testemunhadas no telão. Alguns, conforme as índoles, desejariam ser o ladrão, bandido ou o vilão, outros polícia, ou mocinho…

Utilizo-me da presente alegoria para falar do corpo físico, coadjuvante da alma e tantas vezes taxado de vilão em cenas de deslizes promovidas pelo espírito ora atuando por aqui, na atual encarnação.

Nos empreendimentos que meu espírito realiza nas diversas reencarnações, todos os seus feitos positivos ou negativos, tal qual polícia e ladrão, mocinho e banido, deverão ser a ele – ao espírito – atribuído e não ao meu corpo físico. Este apenas exteriorizará as inclinações de minha alma, esta sim a agente de meus ‘bem feitos’ ou ‘mal feitos’.

Visto que meu corpo físico somente manifestará as inclinações boas ou más de minha alma, ele não poderá ser por elas responsabilizado; então, nem vilão, nem mocinho!

Corpos esculturais e muito bem definidos de homens e mulheres poderão gerar licenciosidades e degradação, como também gerar empregos honestos com destinações louváveis, dança, arte… Tanto uma como a outra atitude será o resultado do espírito impondo ao seu coadjuvante – o corpo – suas escolhas, resultado do livre arbítrio do pensante. Seria então o corpo a ferramenta de que se utiliza o espírito para externar suas boas ou más inclinações…

* * *

Cilícios, açoites, espartilhos, confinamentos… reparadores de outrora; bulimias, medicamentos, cirurgias, tatuagens… escravizadoras de hoje, impunham e impõem macerações ao corpo físico, tido como vilão, quando o espírito, qual um ‘bom moço’ é que é o responsável por todos os abusos que se cometiam no ontem e ainda se cometem no hoje.

Tanto o cilício não reparava ontem, como as técnicas bizarras de hoje somente provocarão desconforto no utilitário da alma.

Quando o corpo ‘cai na gandaia’ e por ela é penitenciado com drogas lícitas e ilícitas obedece unicamente a comandos da alma que ao se utilizar de sua liberdade impõe ao corpo físico os mais cruéis desgastes.

Mais tarde quando esse veículo do espírito voltar ao pó, o perispírito se ressentirá pelas mazelas nele acumuladas.

* * *

Amar com as mãos, bem conduzir os pés, boca que consola e aconselha, olhares de ternura, braços que enlaçam e acarinham, pernas que dão colinho, ombros que proporcionam suportes, arte, dança, expressões corporais diversas… serão as ações sempre bem comandadas pela alma; ou corpo e alma dependentes e parceiros no bem.

O corpo físico não é vilão nem mocinho. Se há vilão, mocinho, polícia ou ladrão nessa história esse é tão somente o Espírito, cativo ou liberto sob os impulsos do livre arbítrio.

“Não o castigueis [ao corpo] pelas faltas que o vosso livre arbítrio fê-lo cometer, e das quais ele é tão irresponsável como o é o cavalo mal dirigido, pelos acidentes que causa…”

(Expressão em itálico e sintonia são do cap. Extensão da alma, pag. 77 de Renovando atitudes, de Hammed/Francisco do Espírito Santo Neto, Ed. Nova Era) – (Primavera ventosa de 2012). 

3 Comentários para “Nem vilão, nem mocinho…”

  • Luci Damati Louzada says:

    Lindo Claudio!!! Lastimo que muitos ainda não consigam entender que a vida é uma escola e que há milhares de irmãozinhos nossos aguardando uma bolsa de estudos na reencarnação. Como dizes, o corpo físico é vítima do livre-arbítrio! Bom dia!!!!

  • Silvia Gomes says:

    Bela crônica meu amigo! Me faz lembrar aquela velha frase, muito usada, quando cometemos algum “deslize”; “A carne é fraca…”
    Como se o nosso corpo por si só fosse capaz de decidir sobre nossas atitudes, quando ele é o instrumento que Deus colocou a disposição do Espirito, para auxiliá-lo na escalada evolutiva.
    Obrigado por compartilhar! Um grande abraço!

  • marcia santos ferraro says:

    … estou me tornando repetitiva, LINDO LINDO LINDO…
    Com leve puxão de orelha meu espírito passará a cuidar melhor do meu corpo físico e eu, cuidarei dos dois, pode estar certo disto, pois AMO TANTO TANTO A VIDA, que quero os dois bem apertadinhos, juntinhos..;.
    …minha emoção é enorme ao deparar com tantas maravilhas escritas por voces, poetas e, assim vou me inspirando mais para o caminhar do DIA de hoje e amanhã e depois e depois….
    … nas “pedaladas” de hoje, olharei para o POR DO SOL, local do encontro dos anjos, lembrarei mais de “conversar com eles e com meu espírito, alma, coração, emoção”… obrigada!!!!

Deixe um comentário