Quem atura um fiambre ‘bafiado’, rançoso? O passado poderá ser que nem o quitute que ontem era o ideal, mas servia tão somente para ontem… Para hoje poderá não servir mais.

Assim como é uma arte reescrever velhos temas, utilizando-se de idéias novas, também o é saber viver coisas novas em cima de todos os ranços do passado, visando preparar um futuro menos penoso.

Assim pensando, minha Divindade me cobriu com o mais absoluto véu do esquecimento e me equipou com o semáforo da consciência – desconfiômetro, tendências instintivas, insights, evidências… para que, atendendo à diversidade de suas luzes, da advertência, de retenção ou liberdade eu recomeçasse, a cada dia, a escrever uma página nova na minha evolução…

De que adiantaria lembrar-me de todos os pretéritos ranços se estes nada contribuírem à minha alforria moral e ainda despertarem em mim rancores e mágoas a pessoas ou de pessoas muito próximas a mim?

Não há necessidade que o meu Deus me revele que o vizinho difícil que tenho, o filho problema, o parceiro que me incomoda, a operadora que me enlouquece… sejam os mesmos para com os quais não fui fácil, causei problemas, incomodei ou enlouqueci em meu passado rançoso… Todos eles, evidências desses maus efeitos, apontar-me-ão todas as causas que o meu Bom Pai julgou conveniente me fazer esquecer.

Lembrar de todos esses ranços seria promover a desforra, desafios a antigos desafetos, a mágoas reprimidas… Desarticula Deus com o véu distraído, todas as altercações, ódios adiados, duelos doídos, por ninguém vencidos e tão pouco concluídos…

Porque isso devia ser útil o meu Deus – o teu Deus – providenciou para que os meus – e os teus – atos de um passado encardido me passassem despercebidos e que por santa e divina providência muitas coisas para mim – e para ti – fosse omitido…

Este tipo de entorpecimento é, sem dúvida, o maior e mais divino antídoto contra todos os ranços do passado!

* * *

Que dádiva, meu Pai, poder adormecer sobre meus cacos e não me machucar. Acordar e poder abraçar minha amada e ter suaves lembranças de todos os meus, sem as restrições que todos os meus pretéritos mal feitos me imporiam…

…Esta é só uma amostra do que o véu do esquecimento pode fazer por mim e por todos aqueles que eu tenha machucado!

(Sintonia e expressões em itálico são do cap. Vantagens do esquecimento, pag. 137 de Renovando atitudes, de Hammed/Francisco do Espírito Santo Neto, Ed. Nova Era) – (Primavera de 2012). 

4 Comentários para ““Ranços do passado””

  • Silvia Gomes says:

    “Que dádiva, meu Pai, poder adormecer sobre meus cacos e não me machucar. Acordar e poder abraçar minha amada e ter suaves lembranças de todos os meus, sem as restrições que todos os meus pretéritos mal feitos me imporiam…”
    Que lindo meu amigo! Essa é a prova incontestável da Sabedoria e do infinito Amor de Deus por seus filhos!
    Obrigado por compartilhar tão bela página! Abraços mil!

  • Luci Damati Louzada says:

    Que lindo meu amigo e poeta Claudio!!!! É verdade… adormecer sobre os meus cacos sem me machucar é a prova da sabedoria e do amor incondicional que o nosso Pai Maior tem por nós seus filhos que muitas vezes se mostram bastante ingratos…. Abração e bom dia!

  • fatima says:

    O Pai sabe o que nos convém, esquecer porque: “não podemos mudar o começo mas podemos fazer um belo fim”.

  • marcia santos ferraro says:

    Por mais uma vez, sabendo que será mais uma entre tantas outras que virão, “eu simplesmente ameiiii”… como é maravilhoso o que vc escreve, de maneira tão clara, tão amena e tão instrutiva… “acordar e poder abraçar, encontrar um amigo, como ter o amigo ao lado, sem nada lembrar que nos entristeça ou nos sobressalte”… obrigada!!! UMA BOA NOITE à vc e família!!!!

Deixe um comentário