Posts Tagged ‘Amor e caridade’

136528477_ad45c65600Ao convidar-nos para partilharmos de seu jugo, alegoria que aos poucos se perde no tempo, pois a canga e os bois que a usam estão quase extintos, o Mestre não só faz o convite, mas estabelece uma cláusula – condição, requisito – principal, que é aprendermos com ele que é brando e humilde de coração. (Mateus XI, 29).

Há, pois, duas formas opostas de nos comportarmos perante as dificuldades afetas a este mundo:

A primeira, desde que possuamos fé no Futuro, será, não a conformação perante as misérias, mas o perfeito entendimento, ou resignação, que a Soberana Justiça e Bondade Divina nos oferece a respeito de responsabilidades sobre os nossos atos, desta ou de pretéritas vidas. Ou, desde que já entendamos os efeitos de nossas próprias causas, saibamos atravessar com compreensão o vale de provas e expiações.

A segunda forma é, atrelada ao nada esperar após esta vida, a conseqüente revolta perante nossas vicissitudes; o arrastamento, por anos e anos, de um fardo que poderíamos estar carregando resignados, com entendimento e, a partir deste, com o consolo da doutrina dos Espíritos.

O jugo leve, do qual nos fala o Redentor, realmente será leve se tomarmos a primeira rota. É possível que sua cláusula única, exigente, imperativa, essa sim, não seja muito leve, pois o amor e a caridade – a cláusula do jugo leve e a décima e mais importante Lei Divina ou Natural – essa sim, nos exigirá sairmos de nossa zona de conforto e nos encaixarmos aos trilhos da Lei.

O jugo não é o pesado… Pesada é a cláusula!

(Sintonia: ESE, VI, 1 e 2) – (Outono de 2015).