Posts Tagged ‘Condições para seguir Jesus’

Imperativo hipotético, segundo ‘Dom Aurélio’ é o que exprime uma ordem que está subordinada a conseguir um fim determinado. É como se eu dissesse a meu filho: ‘Estuda, se quiseres ser aprovado’. Dessa forma, estarei supondo a meu filho ou lhe estabelecendo uma condição que, para passar de ano, ele precisará se aplicar…

* * *

Aplicar-se, passar de ano, estudar, ser aprovado… Todas as expressões ora utilizadas se aplicam aos imperativos que a mim inspiram se eu desejar, realmente e com sinceridade, na condição de Espírito encarnado, seguir os passos do Messias e, embora sendo um ‘arremedo’ seu, ajudá-lo na continuidade da Obra do Pai. Impera-se para ‘passar de ano’ nessa tarefa, a condição de que eu ‘me aplique’ em pequenos grandes quesitos:

Primeiro: Contratempo algum deverá me demover da idéia de servir. Realizar o bem – servir, no caso – é infinitamente mais difícil do que praticar o mal. O fruto podre ‘cai de maduro’; já para realizar o bem é como eu ter de subir na árvore se desejar colher o fruto saudável.

Segundo: Recursos não servirão de fiel à balança para realizar o bem: Minhas mãos, braços, pernas, pés, coração, razão; minha boca, ouvidos, olhos… em fim, toda a fantástica parceria de meu corpo colocada à disposição de minha alma, possui plenas condições de realizar o bem com moedas ou sem elas; com míseros ‘beija-flores’ e ‘tartarugas’ ou com ‘onças’ e ‘garoupas’…

Terceiro: Transtornos, adversidades, limitações, sofrimentos… não constituirão desculpa para a deserção da obra, visto que os transtornos serão apelativos à perseverança; a adversidade, tal qual o fogo, tempera o aço e dá brilho, forma e formosura ao vidro e à porcelana; as limitações testam a perseverança e abominam os privilégios; e o sofrimento maquia as almas das imperfeições de seu orgulho e vaidades.

Quarto: Nunca considerar minha tarefa insignificante: A continuidade da Obra de Deus, para a qual o Mestre me ‘pede ajuda’ é desempenhada por artesãos de diversas capacidades, patamares desiguais e degraus inferiores e superiores. Não existe tarefa mais ou menos importante; existem tarefas a realizar com as ferramentas que possuo neste momento, e que são as melhores que ‘hoje’ eu possa ter.

Quinto: Meu ‘transformômetro’ se desvinculará de avaliações dos que não me aceitam como sou e terá um compromisso sério tão somente com minha consciência. Essa sim, me assinalará se estou indo bem ou mal na parceria que seguir Jesus me impõe.

* * *

Fácil? Ninguém disse que seria! Impera-se como condicionantes, o sacrifício, a perseverança, a sinceridade e a tenacidade perante as surpresas e desafios da estrada.

(Sintonia: Cap. Sinceramente, pg. 85 de Meditações Diárias, de André Luiz/Chico Xavier, editora IDE) – (Inverno de 2013).