Posts Tagged ‘Dificuldades de relações familiares’

Shirmann-em-Noronha-2“A maior dificuldade, em uma expedição, não são as tempestades ou outras condições adversas da Natureza, mas as inter-relações afetivas visto sermos oito pessoas dividindo um espaço de 150m2.” (Vilfredo Schürmann, navegador e pai da família de mesmo sobrenome).

* * *

Com propriedade e sabedoria de bom marujo e pai, ‘seu’ Vilfredo desejou nos informar que muitas vezes as tempestades afetivas do círculo familiar, do trabalho, ou sociais, são mais difíceis de administrar que todas as possíveis borrascas naturais que um navegador enfrenta.

Para nós que possuímos a consciência de que nem todos os que se aninham em nosso círculo familiar o farão por afetividade, mas muito comumente para acertos, por força da sagrada Lei de Causa e Efeito, já não estranhamos muito a colocação do Sr. Schürmann.

A regra, que não deveria ser a regra, mas a exceção é a seguinte: Onde há convivência há encrenca, pois vivemos na sociedade de um Orbe onde ainda o mal se sobressai. Ainda não somos uma cooperativa perfeita, pois o Planeta também não é perfeito. Vivemos ainda num Planeta, em situação desvantajosa de competição com nossas más inclinações.

Não tenhamos dúvidas que nosso orgulho, vaidade e egoísmo são mais destruidores que a pior das borrascas.

Ademais, tais inter-relações não se estabelecerão somente com os ‘carne de nossa carne’, mas se estenderão a parentes espirituais que iremos reencontrando ao longo de nossas vidas e, como na família, nem todos esses reencontros serão de regozijo; também os haverá de ressarcimento.

Tornamo-nos, de certa forma, responsáveis por todos aqueles que encontramos, reencontramos e cativamos e que se revelarão como nossa família espiritual. Os cuidados mútuos passam a ser responsabilidade das partes, tanto dos que se agradam como dos que ainda se execram.

* * *

Todos no mesmo barco, pelo sangue e/ou pelo Espírito, somos convidados a enfrentar tempestades, não literalmente as da Natureza, mas todas aquelas que são fruto de teimosias morais que ainda obstinamo-nos em colecionar.

(Sintonia: Programa Encontro, com Fátima Bernardes, 10 de julho de 2015. Imagem: Família Schürmann) – (10 Jul, inverno de 2015).

Por vezes me paro pensando: A família vai mal, a sociedade vai mal, a mídia, os empresários, os prestadores de serviço, os comerciantes… todos vão mal!

Se tudo não vai muito bem ou se tudo está tão mal como julgo, é porque os indivíduos não estão muito bem e entre eles me incluo. Não estão e não estiveram, pois outrora sonegaram todos os ajustes que hoje estão fazendo falta para que tudo vá bem! Ou não seria este Planeta de Provas e Expiações, mas de regeneração!

Colhe-se hoje, na família, na sociedade no trabalho… justamente tudo aquilo que deixou de ser plantado em anteriores encarnações, ou vivemos o fruto de tudo aquilo que eu soneguei, tu sonegaste, ele sonegou

Se hoje estou inserido numa família, numa sociedade, num trabalho, numa comunidade ‘x’, é porque fiquei a dever a esses segmentos e agora me é cobrado o ajuste de contas e preferencialmente no ‘mesmo’ segmento, junto aos lesados.

Eu, tu, ele, estamos novamente reunidos, por complacência da Infinita Justiça e Bondade Divina que deseja me revelar – nos revelar – que Espíritos em evolução erraram no passado, realizam ajustes no presente e que esses acertos terão reflexos no futuro… Assim funciona a Amorosa Justiça de Deus!

Solidão afetiva, frieza do cônjuge, rebeldias dos filhos, parentela agressiva, indiferença do companheiro: Atos de maldade de meus emparceirados de hoje? Não! Ninguém é ruim ou erra por errar ou porque goste. Devo admitir, porém, que todos esses efeitos são evidências de causas anteriores…

…De minhas ‘sonegações’, por exemplo!

  (Sintonia e expressões em itálico são do cap. Dificuldades nas relações familiares, pg. 138 de Recados do meu coração de José Carlos De Lucca/Bezerra de Menezes, Ed. InteLítera) – (Inverno de 2012).