Posts Tagged ‘Iluminismo’

Iluminismo-Pensador-VoltaireEmbora de apogeus contemporâneos (Século XVIII), não devemos confundir Illuminati com Iluminismo:

Ligeiramente anterior, o Iluminismo (Século XVII), ficou conhecido como o “Século das Luzes”, movimento cultural da elite Européia onde se procurou mobilizar o poder da razão a fim de reformar a sociedade. Atingiria sua força máxima na França, no século seguinte, tendo como lideranças, entre outras, Diderot, d’Alembert, Voltaire (foto), Rousseau e Montesquieu. (Wikipédia).

Illuminati (do latim, iluminados), surgiu como sociedade secreta, fundada em 1º de maio de 1776 na Baviera, sul da Alemanha, portanto no ápice do Iluminismo. Nos tempos modernos conserva resquícios, como sendo organização conspiratória que aspira uma Nova Ordem Mundial… (Fonte: Idem).

* * *

Para que os termos/Organizações sejam distinguidos, necessário é que consideremos:

  • Iluminismo, realizando aqui um trocadilho referente à origem do termo, iluminou mentes, sempre regado pela razão e agindo ‘às claras’, sem nenhuma conotação clandestina, ao contrário dos Illuminati, um tipo de sociedade secreta e de caráter conspiratório;
  • Analisados os termos em português, Iluminismo está voltado para fora do eu, ou desejando que se ilumine quem o queira; já Illuminati (que é o plural de illuminatus, em latim iluminado), já deseja significar personalismos que se auto intitulam iluminados, porém nunca se colocando à comunidade em geral; uma espécie de círculo fechado;
  • Quando procuramos personagens de um e de outro, verificamos que os do Iluminismo são mais abundantes e no contexto da história são mais reverenciados por suas idéias: Exemplificando, Voltaire é autor da frase “Não consigo admitir este grande relógio, sem que haja um Relojoeiro.” François Marie Arouet, que era seu nome, referia-se, aqui, ao Universo como uma máquina fantástica que precisaria de um ‘Maquinista’ para controlá-lo;
  • É possível que os Illuminati, por seu ‘secretismo’ e de não domínio público, estivessem mais à mercê de entidades ainda inferiores e que os personagens do Iluminismo, aqui já citados, todos eternizados, sempre perseguiram a Iluminação dos Superiores.
  • Kardec, nosso ilustre codificador, oriundo da Escola Pestalozzi, que incentivava o raciocínio de seus discípulos, sugere que também sua obra tenha como base a razão, aliando-se a todos os iluminados, supracitados ou não, e elegendo-os como precursores da doutrina da Terceira Revelação;
  • Com tais considerações, concluímos que o secretismo dos Illuminati é muito denso, nebuloso e comandado por forças poderosas, mas não muito sutis; e que a razão do Iluminismo provém de forças renovadoras, transformadoras através de boas intenções e todas sob comando de um zeloso Relojoeiro/Maquinista…

* * *

Os Illuminati é tema do filme Anjos e Demônios, da homônima obra  de Dan Brown, dirigido por Ron Howard e protagonizado por Ton Hanks.

Para ser interpretado em suas entrelinhas: “Toda a música que não pinta nada, é apenas um ruído.” (Jean Le Rond d’Alembert).

(Primavera de 2015).

9fx8ov38oyqxabxcexybg8i53O episódio do lava pés é eminentemente apostólico/instrutivo. Em João 13, 8-9, tomando a iniciativa de lavar os pés dos seus, trava-se o diálogo entre Jesus e Pedro:

– “Jamais me lavarás os pés!…”

– “Se eu não os lavar, não terás parte comigo.”

– “Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça…”

* * *

Necessário se diga que Jesus não conseguiria higienizar cem por cento pés ‘encascurrados’ pelo uso contínuo de sandálias na poeirenta Galiléia. Trata-se, portanto, de episódio didático.

Emmanuel dirá que queria o divino Mestre testemunhar às criaturas humanas a suprema lição da humildade [e que] na coletividade cristã, o maior para Deus seria sempre aquele que se fizesse o menor de todos. Mais adiante, que quis proceder desse modo para revelar-se o escravo de amor à humanidade, à qual vinha trazer a luz da vida.

Termos parte com Jesus: Não somos mais os iniciantes das lides Crísticas. Embora nos consideremos eternos aprendizes dele, é-nos imperiosa a condição principal do Mestre para que sejamos conhecidos como seus lidadores e aprendizes:  a de que nos amemos uns aos outros e se nos amarmos que estejamos aptos a também escravizar-nos por sua causa junto a todos aqueles que precisam ter os pés, mãos e cabeças ‘lavados.’

Conduzir pés: Quantas vezes nós e nossos irmãos andamos ‘em círculos?!’ Mas se já conseguimos experimentar caminhos retos, por que não ajudarmos a tirar nossos irmãos ‘das quebradas?’ É possível que seus pés estejam precisando da água, toalha e os calçados de nossa generosidade.

Mãos engessadas: A soberba engessa mãos. A boa vontade e humildade será sempre aquela escrava do amor que as liberará.

Cabeças lavadas: Não estamos mais sob ditaduras dogmáticas. Tão pouco, queiramos introduzi-las em nossa doutrina liberta, já que, a partir do século das luzes, – iluminismo, 1650 a 1790 – e precursor da codificação, a razão passa a não mais compactuar com dogmas. Poderemos equivocar-nos em questões doutrinárias, em direções e coordenações… mas não em fraternidade! Fé advém da razão e de obras; e para obrarmos impõe-se a virtude do humilde servir.

* * *

Do ‘varredor’ ao diretor, quem é o maior em nossa coletividade cristã hoje? Não será o apequenado pela humildade e pelo serviço?

Queridos confrades: Que possamos lavar, diariamente, todos os pés, mãos e cabeças que sejam necessários!

(Sintonia: Questões 314/15 de O Consolador, de Emmanuel e Francisco Cândido Xavier, 29ª edição da FEB) – (Inverno de 2015).