Posts Tagged ‘Sagrado e humano’

Jesus_Akiane_KramarikTeve Jesus uma esposa? E filhos? Outros irmãos? Possuía Jesus olhos escuros ou claros? Seus cabelo e barba, como eram? Tinha posses materiais? Quem era a alma gêmea de Jesus Cristo?

* * *

Emmanuel nos dirá hoje, com superior assertividade, que não julgamos acertado trazer a figura do Cristo para condicioná-la aos meios humanos, num paralelismo injustificável [pois] nele cessaram todos os processos (…) representando para nós outros a síntese do amor divino

Somente quem ainda não consegue ver em Jesus o “Guia e Modelo que Deus nos tem dado em todos os tempos” se engajará no profanismo às características sagradas do Mestre.

Já dissemos aqui que almas gêmeas serão sempre as sagradas ferramentas ou alavancas que disporão as almas que estão na estrada da evolução realizando exaustivos ensaios visando atingirem o topo da montanha…

… E este não era o caso de Jesus de Nazaré, pois quando chega a seu corpo físico (a um biótipo incerto, não sabido e também irrelevante), seu Espírito já atingira o topo da Perfeição ou nele [já haviam cessado] todos os processos, sendo aqui o paralelismo aos meios humanos injustificáveis.

Deus em sua onipotente sapiência, e em se verificando a qualidade de sua missão, não prescindiria de tais requisitos ao Espírito de Jesus.

* * *

Quanto à sua figura ou aspecto humano – biótipo, casta, requisitos sociais, estado civil… todos estes seriam secundários perante à necessidade de Deus que fosse a síntese do amor divino.

Examinado alguns “trabalhadores da última hora”, ícones não só da doutrina como de outros credos, – e houve inúmeros celibatários – perceberemos que tais Espíritos já não precisaram – não na última encarnação – da ferramenta de auxílio alma gêmea. Precisaram em outras? Certamente! Mas nesta vieram já muito próximos do amor divino ou universal…

(Imagem: Jesus de Akiane Kramarik, exibido no filme O céu existe mesmo. Sintonia com a questão 327 de O Consolador, ditado por Emmanuel a Chico Xavier, 29ª edição da FEB) – (Inverno de 2015).