Posts Tagged ‘Triunfo’

“[… Desejar] não basta à realização. Tudo, nos círculos da Natureza, obedece a espírito de seqüência.” (Emmanuel).

* * *

Entre o desejar e a realização há uma série de etapas que exigem continuidade.

A mãe Natureza é exemplo de seqüência: entre a semente pequenina e a safra, há etapas sucessivas importantes; entre a nascente e a grande catarata, foz ou delta, quantas peripécias das águas!

Jequitibás, oliveiras milenares, cedros majestosos, um dia foram frágeis; formações rochosas precisaram de sucessivos abalos das camadas da Terra; tubarões, elefantes e cavalos estupendos vieram de minúsculas células.

São os grandes ensinamentos da Mãe ao homem, aprendiz das questões morais:

Não trabalhamos porque somos santos; buscamos santidade através do trabalho; não somos, ainda, curadores: curando-nos, na seqüência, poderemos sê-los!

Afastando-nos do inferior, compreenderemos o conhecimento superior; nossas edificações espirituais ainda estão na base: desta para cima, tudo é continuação.

Sempre que não obedecermos a seqüências, nossos projetos ruirão; lanços precisam ser cumpridos!

* * *

A fábula dos três porquinhos é educativa: as casas construídas com palha e madeira foram vulneráveis. Mas o projeto da casa de tijolos salvou os três irmãos da fúria do lobo mau: nas duas primeiras não houve planejamento nem seqüência que lhes desse segurança; na terceira houve planejamento, previdência e seqüência!

Todos os grandes projetos incluem a humildade de certas tarefas: estas estão incluídas numa seqüência. Ou, pequenas tarefas, bem realizadas, são chamariz para grandes triunfos.

(Sintonia: Xavier, Francisco Cândido, Fonte Viva, ditado por Emmanuel, Cap. 118 Em nossas tarefas; 1ª edição da FEB) – (Primavera de 2017).

“… O êxito seguro não é de quem o assalta, mas daquele que sabe agir, perseverar e esperar. Esperar significa persistir sem cansaço e alcançar expressa triunfar definitivamente.” (Emmanuel).

* * *

Entre objetivo e meta, há o ritual da ação, perseverança e espera. Espera supõe paciência.

Objetivo e êxito – princípio e fim – possuem, pois, imperativos. Nada é tomado de assalto; a ‘ferro e fogo.’

Traçado o objetivo, acionamos esforços; estes nos colocarão em ação; e ação é aliada obrigatória da esperança.

A perseverança nos esforços é azeitada pela esperança; espécie de expectativa – fundamentada – de coroamento, vitória, colheita, triunfo!

Nada de ansiedade – afoiteza! Ansiedade não rima com confiança; soa mais com incredulidade:

Esperar, portanto, longe de significar inação, é fruto de nossa fé, alicerçada a planejamento, suor, tenacidade, constância.

Com ou sem cansaço? Com! Este faz parte dos imperativos do êxito: planejamento, tenacidade, constância, vitória… tudo nos cansará:

Superiores nos informam que “o limite entre a ação e o repouso é ‘o das forças’”. Repousar é apenas intervalo. Êxito exigirá a continuidade após o descanso.

* * *

Paulo, em 6:15, ao exortar os Hebreus a “esperar com paciência” se refere a uma obstinação pacífica; ou que os imperativos do êxito são, justamente, a ação, perseverança e espera.

(Sintonia: Xavier, Francisco Cândido, ditado por Emmanuel, Fonte viva, Cap. 103, Esperar e alcançar; 1ª edição da FEB) – (Inverno de 2017).