uniforme-vetores-pessoal_638972“Será bastante trazer a libré – o uniforme – do Senhor para ser-se fiel servidor seu?” (ESE, XVIII, 16).

Não esperemos ter saúde perfeita diploma distinto, dinheiro, cultura ou companheiros melhores de jornada para nos engajarmos nas tarefas Crísticas. Aliás, assim pretendendo, é possível que não comecemos nunca, pois vicissitudes não nos faltarão. Dessa forma…

  • … Uniformizemo-nos de sadios, pois, embora sabendo-nos frágeis, sempre nos defrontaremos com necessitados de saúde mais precária que a nossa. Sabe-se que nem todos os grandes missionários possuíram saúde perfeita;
  • Se ainda não nos diplomamos nas ciências da vida presente e consideramos escassa nossa cultura, adiantemos os estudos para diplomar-nos nas ciências da Vida Futura;
  • Se os recursos materiais são escassos, uniformizemo-nos de uma vontade rica e férrea de repartir recursos que não dependam da moeda. Não precisaremos da carteira para ensinar o que já sabemos; ajudar aqui ou acolá; repartir nosso sorriso; distribuirmos bom dia, boa tarde, boa noite; enaltecermos o bem feito, o belo e as ações inteligentes e produtivas; e
  • Uniformizemo-nos da humildade e da simplicidade, considerando que os companheiros de tarefas nunca serão perfeitos, como nós, particularmente, não o somos. Desconsideremos as nossas imperfeições e partilhemos mais nossas probabilidades e possibilidades!

* * *

Todas as limitações que possuímos hoje são diretamente proporcionais ao estágio evolucional já adquirido. São as atuais ferramentas ou uniforme de trabalho que por ora possuímos!

Ainda: Utilizemos o ‘nosso’ uniforme; é possível que ‘o’ do companheiro ainda não nos fique ajustado!…

(Sintonia: Cap. Tais quais somos, pg. 162, Livro da Esperança de Emmanuel/Francisco Cândido Xavier, editora CEC) – (Inverno de 2014).

2 Comentários para “Uniformizemo-nos!”

  • euridice says:

    adorei essa parte “Uniformizemo-nos da humildade e da simplicidade, considerando que os companheiros de tarefas nunca serão perfeitos, como nós, particularmente, não o somos.” parabens,diz tudo a todos nós seres imperfeitos que ainda somos! grande abraço

  • Silvia Gomes says:

    “Se os recursos materiais são escassos, uniformizemo-nos de uma vontade rica e férrea de repartir recursos que não dependam da moeda. Não precisaremos da carteira para ensinar o que já sabemos; ajudar aqui ou acolá; repartir nosso sorriso; distribuirmos bom dia, boa tarde, boa noite; enaltecermos o bem feito, o belo e as ações inteligentes e produtivas…”
    Acredito que a humanidade precise primeiramente destes recursos que não dependam da moeda, pois assim repartir o pão se tornará algo perfeitamente normal e incorporado aos nossos sentimentos!
    Bela crônica Claudio! Muito obrigado por compartilhar!Abraços!

Deixe um comentário