Destino, não! Acordo reencarnatório

Acordo reencarnatório é o nome mais apropriado para aquilo que chamam de destino ou fatalidade. Tal acordo que um dia foi mediado entre o Plano Espiritual e minha consciência teve suas cláusulas pautadas na vida pregressa do cliente, no caso eu. De volta ao plano físico o véu do esquecimento encobre o meu contrato; precisarei então trabalhar com as evidências. Quando chego […]

“Somos alunos, não malfeitores!”

Releio com gosto e sempre garimpando coisas novas, As dores da alma. Em abertura de junho de 1998, Hammed dá uma roupagem espírita aos sete pecados capitais instituídos pela ortodoxia da igreja os quais incluo na “indústria” da culpa. Nos fragmentos abaixo o amigo espiritual, dentro de sua humildade tão sujeita a enganos como qualquer outro, mas com a […]

Culpa e “indústria” da culpa

Uma pequena reflexão sobre culpa em apenas dois itens: A culpa em sua naturalidade e a “indústria” da culpa: 1. Peregrino que sou neste Planeta de Provas e Expiações, encaro a culpa como sendo um efeito natural de todos os equívocos que cometi, cometo ou cometerei; ou seja se estou ‘por aqui’ é porque tenho […]

Heróis, heróis exóticos e heróis anônimos

Na tentativa de abordar assunto com título tão desgastado, resolvo fazê-lo em três itens: 1. Herói, no sentido mais tradicional, é o homem – ou a mulher – notável por suas qualidades extraordinárias. Neste panteão, coloco governantes iluminados, filósofos, pensadores, líderes de resistência, cientistas dedicados… Até aqui, não falei nenhuma novidade, pois esses homens sempre foram considerados modelos a serem seguidos. Chamá-los-ia, simplesmente […]

Quantos “côvados” têm minha riqueza?

“Quem de vós – pergunta-nos Jesus, através de Mateus, 6,21 -, poderá acrescentar um côvado à sua altura?” O Mestre, nesta alegoria, nos falava das vãs preocupações: O que vestir, o que comer, o dia de amanhã e… A riqueza! Primeiramente, é necessário que lhes informe o significado do termo: O côvado judaico possuía aproximadamente 44,7 cm – o comprimento de […]

Onde estiver o meu carnaval, aí estará o meu coração…

O período carnavalesco, esse que adentrará em breve é como aquele baú do tesouro do qual fala Jesus em Mateus 6, 21 “porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração”. Neste período, abrirei então o meu baú carnavalesco e retirarei dele o que bem desejar: Poderão ser alegria, confraternização, reencontros agradáveis ou, numa segunda alternativa – […]

“Mínimas” e curtas do velhinho – (11)

Meus amigos: Não tenho a pretensão que estas curtas sejam pérolas… Se forem pétalas e conseguirem iluminar o dia de umzinho só, dar-me-ei por satisfeito. Um abraço! Bancos – De bancos não espero graças; milagres, nem pensar! Com muito boa vontade, favores; Bonzinhos, bons… – Os bonzinhos só me dirão coisas doces; já os bons, as necessárias; Dinheiro – Carrego pouco… Ladrão que pegar minha carteira […]

Reminiscências… “Bolinhas de gude”

Frescobol, bocha, castelos de areia, são as diversões preferidas da gurizada e de algumas pessoas mais maduras em ‘minha’ praia… Serão? Assim admitia até o dia de hoje! Surpreendi-me com duas – eu disse duas e não dois – adolescentes jogando bolinhas de gude. Admirado, parei e dirigindo-me à mãe – suponho – das duas exclamei: Mas isto […]