Crônicas diversas Crônicas doutrinárias

Felicidade: Uma ventura muito particular…

Volto ao assunto ‘felicidade’… Se eu acreditar que “a felicidade não é deste mundo” (Item 20 do Cap. V do ESE), não estarei sabendo decodificar a codificação…

Nos primórdios, quando só exteriorizado, estabeleci alguns padrões e chavões para a felicidade: ‘Ter dinheiro, ter influência, ter importância… ’ Voltando-me ao meu interior ‘comecei a começar’ o entendimento da máxima codificada, pois é ao mundo da fama, do dinheiro, do interessante e do fátuo que ela está dirigida.

Com esse entendimento, começo a particularizar minha felicidade e o mundo exterior só me servirá para me ‘dar os toques’ necessários em me dizendo que a felicidade, de tão simples chega a ser simplória… Os pequeninos são simples e até simplórios! Essa ‘pequenez’ me mostra, então, que ela poderá estar:

  • Na chuvinha mansa que cai, emprenhando a terra seca e lhe dando um aroma ímpar…
  • Na incondicionalidade do amor de meus animaizinhos;
  • Na alegria estampada na cara de crianças pobres ao receber guloseimas, quando eu achava que só as ricas delas gostavam…
  • Na satisfação do guardador de meu carro, quando converso com ele paralelamente ao ‘pagamento’ devido;
  • Ao ver flores se abrindo, pássaros retornando, estações se alternando, folhas ora caindo… Ora brotando;
  • Meu vizinho saudando, a gurizada brincando, o transeunte anônimo sorrindo, o amigo chorando e suas lágrimas eu secando…
  • O abraço maduro dos cônjuges envelhecendo, lutando, avançando…  Doando-se e amando!
  • Ao formular, expressar e compartilhar idéias. Entender o sentido de minha dor, perceber a alheia e confortá-la de perto de longe, ‘in loco’ ou virtualmente, amorosamente…

“Encontra-se a felicidade em forma de Toque Divino em toda parte [pois] a felicidade é o perfume de Deus”.

Como, então, não entender a felicidade como uma ventura muito particular?

(Sintonia e citação são do capítulo Perfume de Deus, pg. 23 de Conviver e melhorar de Francisco do Espírito Santo Neto/Lourdes Catherine, Ed. Boa Nova) – (Outono de 2012; chuvinha mansa!)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.